Quando é o momento da Cirurgia Plástica Reparadora após Cirurgia Bariátrica?

Quando é o momento da Cirurgia Plástica Reparadora após Cirurgia Bariátrica?

O emagrecimento ocasionado pela cirurgia bariátrica pode gerar excessos de pele, principalmente no abdome, braços, coxas e mamas, que além de desconforto estético, podem facilitar o surgimento de infecções e irritações da pele nas dobras localizadas onde há esses excessos. Portanto, é muito comum que os paciente necessitem de cirurgia plástica reparadora após cirurgia bariátrica em algum momento, especialmente em pacientes mais velhos ou com IMC (Índice de Massa Corporal) mais alto.

A cirurgia plástica deve acontecer, quando necessária, após a meta de perda de peso estipulada antes da cirurgia ser atingida, ou quando há a estabilização do peso do paciente, o que ocorre geralmente entre 1 e 2 anos de pós-operatório. O paciente deve estar com IMC abaixo de 30, e acima disso apenas em casos extremamente necessários, principalmente quando o excedente de pele causar dificuldades de locomoção.

Os procedimentos estéticos e funcionais podem ser realizados nas mamas, abdome, braços, coxas e até na face, sendo que é recomendado que o primeiro procedimento seja realizado no abdome. As cirurgias em diferentes áreas podem ser realizadas simultaneamente, mas apenas por cirurgiões experientes. As cirurgias isoladas garantem maior segurança e menor tempo operatório.

As cicatrizes geradas pelas plásticas são, no geral, de boa qualidade, porém devido as tensões maiores que podem ocorrer sobre elas, algumas das cicatrizes podem se tornar hipertróficas (alargadas). Há a possibilidade também de correção destas cicatrizes maiores em um segundo tempo cirúrgico.

É comum o uso de drenos no pós-operatório, que podem permanecer apenas durante a internação ou até 10 dias após a cirurgia, dependo do tamanho da área de pele que necessitou de descolamento e técnica cirúrgica empregada. Eles têm a função de prevenir a formação de hematomas e seromas, que é o acumulo de linfa e tecido gorduroso liquefeito sob a pele, e que podem causar infecções e piora do resultado estético.

O acompanhamento multidisciplinar permanente no pós-operatório, diminui os riscos envolvidos nestes procedimentos, e contribuirão para que os resultados estéticos sejam atingidos com maior qualidade e segurança.

 

Dr. Nathan Rostey CRM 180.456

Deixe uma resposta